fbpx
segunda-feira, 03 maio 2021 17:15

Maioria das empresas contra teletrabalho obrigatório

Partilhar:
Maioria das empresas contra teletrabalho obrigatório Foto: NERSANT

A Associação Industrial Portuguesa aponta ainda que 15% dos inquiridos rejeita "totalmente o trabalho remoto”, depois de um inquérito que teve lugar na última semana de abril e que contou com 1.632 respostas, lê-se num comunicado divulgado esta segunda-feira, 3 de maio.

 

 

Amaioria das empresas não concorda com o teletrabalho obrigatório, com 80% das inquiridas pela Associação Industrial Portuguesa (AIP) e afirmarem que só aceitam este regime se for “negociado e acordado entre empresas e trabalhadores”, indicou a entidade.

A AIP aponta ainda que 15% dos inquiridos rejeita "totalmente o trabalho remoto”, depois de um inquérito que teve lugar na última semana de abril e que contou com 1.632 respostas, lê-se num comunicado divulgado esta segunda-feira, 3 de maio.

De acordo com a associação, outra das conclusões é que “87% das empresas recusam qualquer aumento de impostos para financiar o impacto que a pandemia está a provocar nas contas públicas” e 13% acreditam “que, a existir esse esforço fiscal, deveria recair nas grandes empresas digitais”.

Por outro lado, 77% das empresas concordam com a continuidade dos diferimentos de quotizações e contribuições em termos fiscais.

As respostas das empresas à AIP apontam também a “manutenção das moratórias, apoio à retoma progressiva e prorrogação do pagamento de impostos” como merecendo “a exigência de 78%, 97% e 77% das empresas nacionais”, respetivamente, o que, de acordo com a associação, “demonstra que o tecido empresarial ainda não saiu da fase de resiliência”.

Paralelamente, 95% concordam com a continuidade do 'lay-off' simplificado para as empresas sujeitas ao dever de encerramento por decisão do Governo, enquanto 97% estão de acordo com a continuação do apoio extraordinário à retoma progressiva da atividade em sociedades em situação de crise.

De entre as empresas inquiridas, 87% não despediu e 90% não prevê despedir no curto prazo, adiantou a AIP.

Com os resultados do inquérito, a AIP concluiu ainda que “neste momento é escasso o apoio financeiro às empresas”, garantindo que “as poucas linhas existentes têm taxas de reprovação e/ou não decisão muito elevadas”.

“As linhas de apoio ao investimento que, entretanto, foram tomadas continuam com reduzidas taxas de aprovação” ou ainda “não têm qualquer despacho ou decisão”, lamentou a AIP.

Ainda assim, 86% das empresas "quer manter o funcionamento normal" após o final “das moratórias, ‘lay-off’ e derrogações fiscais", sendo que "apenas 5,7% prevê alterar o modelo de negócios ou mudar de atividade. 96% das empresas não prevê efetuar operações de fusão ou reestruturação", indicou a AIP.

 

PUBLICIDADE

 

 



 


 

 

Siga as notícias da Região Centro no FacebookInstagramTwitter e Youtube

    

 

Deixe um comentário

Últimos artigos

Facebook

em Arquivo


Sobre nós

A Rede ON CENTRO é uma rede de comunicação e valorização territorial, que visa promover a região Centro, junto do público nacional e estrangeiro.
Aqui poderá aceder a informação da maior região do país, composta pelos distritos de Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu.

[Saber+]

 


Contactos

Morada:
Rua Simões de Castro, nº 170, 5º B 3000-387 Coimbra

Email:
geral@on-centro.pt
agenda@on-centro.pt

Telefone:
+351 239 821 655 | +351 933 075 555

 

 

Newsletter

Fique a par das novidades da região.

 

Subscrever


Redes Sociais

Other languages

ptzh-CNenfrdeitjakorues