fbpx

Avis: Água da Barragem do Maranhão contaminada pela pulverização dos olivais

Escrito por
Avis: Água da Barragem do Maranhão contaminada pela pulverização dos olivais Foto © ON Centro

 

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge fez análises a água retirada do meio da albufeira há cerca de duas semanas e o resultado foi o mesmo. Uma bióloga escreveu, num documento que “a concentração de microcistinas (a toxina de Microcystis aeruginosa) era de tal forma alta que mesmo com a diluição máxima não foi possível dosear”.

 

Aágua da barragem do Maranhão, em Avis, tem uma quantidade perigosa de cianobactérias, que pode chegar a ser fatal para o gado, uma situação que está a preocupar a autarquia, que aponta o dedo ao olival intensivo.

O alerta foi dado por Luís Teixeira, proprietário de um empreendimento turístico junto da albufeira, mostrando fotografias e vídeos da água, com manchas azuis claras de um produto pastoso e não identificado.

O responsável culpa os olivais intensivos à volta da barragem, constantemente pulverizados com químicos que acabam por ir parar à água.

A vice-presidente da Câmara Municipal de Avis, Inês Fonseca, que tem entre outros o pelouro do turismo, disse na segunda-feira, à Lusa que o que se está a passar é um problema e que teme que interditem a prática de desportos náuticos na albufeira.

“A agricultura é importante, mas tem de se conseguir que todas as atividades sejam compatíveis”, alertou, afirmando que o que está a acontecer coloca em causa os investimentos para a prática de desportos náuticos, como o remo, a canoagem, o triatlo ou a natação em águas abertas.

Inês Fonseca disse que a autarquia já tem falado com os agricultores mas que estes respondem que o problema não é causado por eles, ao que a responsável garante que a Câmara tem feito tudo para eliminar qualquer tipo de descarga para a albufeira e que todas as juntas de freguesia já têm estações de tratamento.

A vice-presidente da câmara de Avis não tem dúvidas de que o problema das cianobactérias surgiu com o aparecimento da agricultura intensiva, basicamente olival, na qual se usa “muitos fertilizantes” que com a chuva acabam na água. A delegação da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) confirmou a existência de cianobactérias (também conhecidas como algas azuis).

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge fez análises a água retirada do meio da albufeira há cerca de duas semanas e o resultado foi o mesmo. Uma bióloga escreveu, num documento que “a concentração de microcistinas (a toxina de Microcystis aeruginosa) era de tal forma alta que mesmo com a diluição máxima não foi possível dosear”.

A especialista alertou que aquela massa de água “é potencialmente perigosa” e que para o gado, que bebe grande quantidade de água, pode ser letal, porque as microcistinas (toxinas produzidas por cianobactérias) são hepatotóxicas (produzem danos no fígado).

Inês Fonseca disse à Lusa que a Câmara também já contactou as autoridades de saúde e que hoje mesmo vão fazer análises à água.

“Estamos a rever o Plano Diretor Municipal (PDM). Tivemos uma reunião com a Direção-Geral de Agricultura, queríamos fazer uma área de salvaguarda dessa agricultura mas disseram-nos que não há forma de impedir a agricultura intensiva”, porque a lei não o permite, adiantou.

Basicamente, diz, a Câmara não pode impedir a agricultura intensiva, não sabe na maior parte das vezes quem são os donos.

“As pessoas queixam-se, há um produto branco no chão, que se agarra aos carros, às casas, é toda a gente a queixar-se mas a Câmara não pode fazer nada, não tem respostas para lhes dar. A nossa ideia era no PDM tentar limitar um pouco a agricultura. Tenho muita pena se nos interditarem a prática de desportos náuticos na barragem”, que é a ancora do turismo em Avis, afirmou Inês Fonseca.

Pior ficará Luis Teixeira, proprietário de um empreendimento junto da barragem virado para os desportos náuticos. Ele mesmo desportista, começou a remar ali aos 16 anos, participou em nove campeonatos do mundo de remo e em 2009 construiu o hotel, que acolhe os estágios de muitas equipas internacionais de remo.

Luis Teixeira disse à agência Lusa que a água já tinha estado assim em 2018 e 2020 e acrescenta que a única alteração no local nos últimos anos foi ambiental, com a plantação de olival intensivo à volta da barragem.

O empresário diz que é urgente resolver o problema da barragem do Maranhão e diz que a APA não tem feito nada, nem em anos passados nem neste. Em 2020, exemplificou, foi comunicado o problema em maio e a APA respondeu em outubro. “Nunca foi tomada qualquer providência e a situação só tem vindo a piorar”, disse, adiantando que há mau cheiro perto da água.

Luís Teixeira diz mesmo que há falta de vontade para resolver o problema, que se teima em ignorar o que se passa na água no Maranhão.

“Não posso ouvir dizer que somos os líderes da descarbonização quando no terreno a situação é esta”, afirmou.

Para José Núncio, presidente da Associação de Regantes do Vale de Sorraia, “a situação não é nova infelizmente e aparece com temperaturas altas e depois desaparece. São as cianobactérias a desenvolver-se e dá aquele aspeto, e depois o vento empurra-as para as margens, no meio da albufeira não se vê”.

José Núncio, não nega que o olival possa ser uma das origens do problema mas acrescenta: “são albufeiras antigas, que entram em processo de eutrofização. São 67 anos de lodo e o olival leva pouca água”, diz, afirmando esperar que dentro de dois ou três dias a situação normalize.

A associação junta 1.800 agricultores, beneficiários do Maranhão e de Montargil, sendo que esta última barragem não tem problemas assim. Nas declarações à Lusa José Núncio diz que as cianobactérias não têm efeito na rega, que está a começar agora, mas alerta que a barragem não é uma piscina e que tomar banho junto da espuma azul pode ser perigoso para a pele.

Espuma azul, lodo ou produto pastoso branco, diz e repete Inês Fonseca: Venham ver, venham ver e falar com as pessoas.

 

PUBLICIDADE











Programação do Centro de Artes de Águeda

 

 

Siga-nos no FacebookInstagramTwitter e Youtube


[+] de Youtube ON Centro






 

Shorts ON Centro @ Youtube



Viver a Vida intensamente,
sempre, sempre, sempre! (...)






O Amor é Importante!


 

Bebe, bebe, bebe!




VER MAIS »»»

 

Partilhar

Últimos artigos

Agenda de eventos

Sertã: Feira do Caracol
Sertã: Feira do Caracol
Sex. 05/07 16:00 - Dom. 04/08 23:00
AgitÁgueda 2024
AgitÁgueda 2024
Sáb. 06/07 - Dom. 28/07
AgitÁgueda 2024: Manu Chao
AgitÁgueda 2024: Manu Chao
Ter. 16/07 22:00
Mira: Festas de São Tomé
Mira: Festas de São Tomé
Sáb. 20/07 - Qui. 25/07
Aveiro: Festival Dunas de São Jacinto
Aveiro: Festival Dunas de São Jacinto
Sex. 23/08 - Dom. 25/08
Góis: Curso de Treinadores de Basquetebol
Góis: Curso de Treinadores de Basquetebol
Sex. 30/08 20:00 - Dom. 15/09
Aveiro: Nova Agrovouga 2024
Aveiro: Nova Agrovouga 2024
Sex. 15/11 - Dom. 24/11


Sobre nós


Plataforma em rede de comunicação e divulgação

 
A ON CENTRO é uma rede digital de comunicação e valorização territorial, que visa promover a região Centro e informar junto do público nacional e estrangeiro.

Aceda aqui às notícias de Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria, Santarém e Viseu; e do resto do País.

Other languages


Contactos


Morada

Rua Simões de Castro, nº 170, 5º B 3000-387 Coimbra

Email
geral@on-centro.pt

Parcerias
Inês Vicente
oncentro.pt@gmail.com

Telefone (+351)
rede fixa nacional: 239 821 655
rede móvel: 933 075 555

 

 


Redes sociais


 


Newslettter

Subscreva a nossa newsletter para ficar a saber o que de importante acontece na região e no país.

Subscrever