fbpx

Associação Zero pede incentivo à energia solar descentralizada

Escrito por
Partilhar
Associação Zero pede incentivo à energia solar descentralizada Foto © ON Centro

 

“No caso de Portugal, devido às suas condições favoráveis em termos de horas de sol e de conjuntura de mercado, (…) há potencial para abastecer com viabilidade técnica e económica cerca de 50% do seu consumo de eletricidade com base em solar-fotovoltaico instalado em telhados”, refere, apontando que “só o Chipre tem um potencial superior” em toda a Europa.

 

 
Aassociação ambientalista Zero defende a produção de energia solar descentralizada em Portugal, considerando que “traria mais-valias para a sociedade que não estão a ser potenciadas”.

“Face à produção de energia solar descentralizada, por exemplo em telhados, a produção de energia em grandes centrais é tida como mais barata, mas a diferença esbate-se ou anula-se quando se incluem na equação as externalidades positivas e negativas em cada um dos modelos”, refere a associação, em comunicado.

No documento, a Zero destacou a destruição de habitats para a produção de energia solar centralizada.

Já quanto à produção de energia em pequena escala, a associação ambientalista destacou vantagens como a maior eficiência – dada a menor perda de energia na rede –, a utilização de telhados e coberturas de edifícios que não requerem a ocupação de terrenos para a implementação, a criação de postos de trabalho através da dinamização de empresas locais ou a resiliência a desastres naturais.

A Zero defende que este modelo carrega ainda um aspeto democrático, uma vez que “capacita os cidadãos para serem agentes ativos na transição energética”, proporciona um espaço de mercado mais favorável à competição, não obriga a grandes processos burocráticos centralizados para a implantação dos sistemas e os painéis sombreiam os edifícios e casas, permitindo, assim, poupar energia no verão.

A associação remete ainda para a Diretiva das Energias Renováveis da União Europeia de 2018, que destaca o “papel fundamental” da distribuição da produção, armazenamento e gestão de energia em comunidades energéticas de pequenos produtores e consumidores, enquanto cidadãos, cooperativas ou municípios.

“A Zero partilha desta visão, na medida em que a organização energética coletiva e orientada para e pelos cidadãos é chave na aceitação pública de projetos de energia renovável, pois conduz a benefícios diretos ao nível da autonomia energética e da redução da conta de eletricidade e contribui ainda para a flexibilidade do sistema elétrico, através de uma gestão da procura e do armazenamento energéticos”, refere-se na nota.

De acordo com a associação ambientalista, o solar comunitário cria “valor socioeconómico local, o que ajuda a fomentar atitudes positivas em relação à transição energética”.

De igual forma, a Zero acredita que Portugal tem um “amplo potencial de produção solar descentralizada”, mas que este é “desaproveitado”.

“No caso de Portugal, devido às suas condições favoráveis em termos de horas de sol e de conjuntura de mercado, (…) há potencial para abastecer com viabilidade técnica e económica cerca de 50% do seu consumo de eletricidade com base em solar-fotovoltaico instalado em telhados”, refere, apontando que “só o Chipre tem um potencial superior” em toda a Europa.

Para estimular o crescimento do regime de produção energética solar descentralizada, a Zero propõe medidas como a simplificação do registo do autoconsumo coletivo, a disponibilização de formulários e guias simples e intuitivos pela Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) e o financiamento pelo Fundo Ambiental de apenas sistemas de autoconsumo coletivo “para fomentar esta boa prática de aproveitamento de coberturas”.

De igual forma, defende ainda que “as tarifas de acesso às redes não devem constituir um entrave ao benefício económico de sistemas de autoconsumo coletivo nos telhados das habitações”.

Para a Zero, a transição energética no setor da eletricidade “será tanto mais rápida quanto mais descentralizada, participativa e cooperativa for”.

“O controlo e propriedade comunitários das estruturas de energia são a única forma de democratizar um setor que continua a padecer de demasiada centralização”, finaliza-se na nota, que aponta também para a instabilidade política e para o aumento dos preços da energia.

Perante estes fatores, a associação crê que “a produção de energia distribuída em regime de autoconsumo é uma peça chave na mitigação, quer da insegurança energética, quer dos efeitos da escalada nos preços junto das famílias e empresas”.

 

PUBLICIDADE


  

 

 

 

 

Siga as notícias da Região Centro no FacebookInstagramTwitter e Youtube

    

Partilhar

Deixe um comentário

Últimos artigos

 

Facebook

em Arquivo


Sobre nós

A Rede ON CENTRO é uma rede de comunicação e valorização territorial, que visa promover a região Centro, junto do público nacional e estrangeiro.
Aqui poderá aceder a informação da maior região do país, composta pelos distritos de Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu.

[Saber+]

 


Contactos

Morada:
Rua Simões de Castro, nº 170, 5º B 3000-387 Coimbra

Email:
geral@on-centro.pt
agenda@on-centro.pt

Telefone:
+351 239 821 655 | +351 933 075 555

 

 

Newsletter

Fique a par das novidades da região.

 

Subscrever


Redes Sociais

Other languages

ptzh-CNenfrdeitjakorues