fbpx
domingo, 21 novembro 2021 17:56

Falta de imigrantes e de ofertas de emprego atrativas explicam escassez de mão de obra; dizem economistas

Escrito por
Partilhar
Falta de imigrantes e de ofertas de emprego atrativas explicam escassez de mão de obra; dizem economistas Foto © ON Centro

Apesar de a taxa de desemprego estar nos 6,1%, o nível mais baixo dos últimos anos, e de o emprego estar a recuperar após a crise pandémica, há sinais de escassez de mão de obra em vários setores de atividade, como o turismo, a restauração ou a construção.

 

 

Afalta de trabalhadores imigrantes, a ausência de ofertas de emprego atrativas e o envelhecimento da população ativa explicam a escassez de mão de obra em setores de atividade que começam a recuperar, dizem alguns economistas consultados pela agência Lusa.

Apesar de a taxa de desemprego estar nos 6,1%, o nível mais baixo dos últimos anos, e de o emprego estar a recuperar após a crise pandémica, há sinais de escassez de mão de obra em vários setores de atividade, como o turismo, a restauração ou a construção.

Segundo João Cerejeira, professor da Faculdade de Economia da Universidade do Minho, a escassez de mão de obra pode ser explicada pelos fluxos internacionais de trabalhadores imigrantes, que ficaram "praticamente congelados" devido à pandemia de covid-19.

"Há uma dificuldade porque ficaram praticamente suspensos os fluxos internacionais de trabalhadores, o que levou a uma queda da mão de obra imigrante, que habitualmente viria para ocupações com salários mais baixos e menos procuradas pelos trabalhadores portugueses", afirma o economista.

O professor da Universidade do Minho refere que, além da "menor entrada de imigrantes", sobretudo em setores como a construção, também o envelhecimento da população contribui para a escassez de trabalhadores que tem sido referida pelas empresas.

"A população mais jovem é mais qualificada do que a mais velha e, portanto, não procura empregos com níveis de qualificação mais baixos", afirma João Cerejeira.

O diretor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, José Reis, converge com esta posição e aponta que, além, da imigração, "há alguma população ativa que é colocada fora do mercado de trabalho durante as crises".

"Em 2020, a taxa de subutilização do trabalho era de 14%, muito acima da taxa de desemprego, e superior em dois pontos à de 2019", refere José Reis.

A subutilização do trabalho é um indicador que agrega a população desempregada, o subemprego de trabalhadores a tempo parcial, os inativos à procura de emprego, mas não disponíveis, e os inativos disponíveis, mas que não procuram emprego.

Também o ex-presidente do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) Francisco Madelino diz que a pandemia "implicou o regresso de imigrantes", nomeadamente para o Brasil, contribuindo para a escassez de mão de obra em setores como a construção civil ou o turismo interno, atividades que estão a dar sinais de retoma.

Francisco Madelino, que é professor no ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, indica igualmente que outro fator a ter em conta é "a menor entrada de jovens" e o envelhecimento do mercado de trabalho.

Outro fator que pode explicar a falta de mão de obra é, segundo afirma por seu lado o ex-secretário de Estado do Emprego Pedro Martins, a falta de ofertas atrativas de emprego para as pessoas que ficaram desempregadas durante a pandemia.

Para Pedro Martins, que é professor na Nova School of Business and Economics, "muitos trabalhadores ainda estão a receber subsídio de desemprego", uma vez que "as durações máximas destes subsídios tendem a ser entre 12 e 24 meses".

"Esses trabalhadores não estarão, em grande parte dos casos, interessados nas condições de trabalho oferecidas", afirma o ex-secretário de Estado do governo de Pedro Passos Coelho.

"Outro fator relacionado serão as preocupações com o risco de infeção, no local de trabalho ou nos transportes públicos, mesmo entre os vacinados", acrescenta Pedro Martins.

 

PUBLICIDADE

 

 

  

 

 

 

Siga as notícias da Região Centro no FacebookInstagramTwitter e Youtube

    

 

 

Partilhar

Itens relacionados

Deixe um comentário

Últimos artigos

 

Facebook

em Arquivo


Sobre nós

A Rede ON CENTRO é uma rede de comunicação e valorização territorial, que visa promover a região Centro, junto do público nacional e estrangeiro.
Aqui poderá aceder a informação da maior região do país, composta pelos distritos de Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu.

[Saber+]

 


Contactos

Morada:
Rua Simões de Castro, nº 170, 5º B 3000-387 Coimbra

Email:
geral@on-centro.pt
agenda@on-centro.pt

Telefone:
+351 239 821 655 | +351 933 075 555

 

 

Newsletter

Fique a par das novidades da região.

 

Subscrever


Redes Sociais

Other languages

ptzh-CNenfrdeitjakorues